JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

“Há vida após as drogas”

Fonte: Portal Brasil - Cidadania e Justiça
4

Cidadania e Justiça

Combate às drogas

Depois de concluir parceria com Senad, ONG Salve a Si duplicou número de dependentes químicos atendidos por ano; fundador vê ajuda do governo federal como fundamental para tornar organização referência no Centro-Oeste

Antes de iniciar o tratamento contra a dependência química, Luiz Alberto de Oliveira, 36 anos, havia entregue a vida à própria sorte. “Eu usava drogas”, respondeu à reportagem do Portal Brasil ao ser questionado sobre sua profissão. “Eu vivia para usar e usava para viver”, completou.

Há três meses “limpo”, ele convive com outros 90 adictos no Centro de Tratamento para Dependência Química Salve a Si, ONG apoiada pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad), do Ministério da Justiça (MJ). Situado na divisa entre o Distrito Federal (DF) e o estado de Goiás (GO), o complexo tornou-se referência da região no tratamento de viciados em crack e em outras substâncias psicoativas.

“A Salve a Si entrou na minha vida quando ela estava tomada pelas drogas”, conta Cleiton Porto Santos, 31 anos, que chegou a passar sete anos em reclusão, mas conseguiu vencer a dependência química e quitar sua dívida na justiça. O tratamento custeado pela Senad permitiu a ele mudar de vida e tornar-se conselheiro-chefe da Salve a Si.

“Hoje não preciso lidar com minhas dificuldades com nenhuma substância psicoativa”, orgulha-se Cleiton. “Graças à parceria entre a Salve a Si e a Senad, eu posso ajudar meus iguais. Há vida após as drogas”, assegura.

Depois de conceder depoimento exclusivo ao Portal Brasil, Cleiton foi flagrado pela reportagem conversando com um amigo de infância e ex-residente visto perto de um ponto de venda de drogas. “Se você for usar, não faça, procura a gente antes”, pediu, por mensagem de voz enviada pelo celular.

Editais

José Henrique França Campos, fundador e administrador da Salve a Si, disse que a ONG já atendeu 2 mil pacientes. “Nosso papel é recebê-los imediatamente”, explicou. “Graças à Senad, nós dobramos o número de residentes por ano. A Salve a Si faz diferença hoje graças ao Ministério da Justiça”, acrescentou.

De acordo com o MJ, as comunidades terapêuticas precisam efetuar cadastro na Senad para poderem concorrer ao processo licitatório e receberem recursos. A pasta mantém convênios atualmente com mais de 300 delas e alcançou a marca de 8 mil vagas custeadas em todo o País.

O Ministério da Justiça paga R$ 1 mil mensalmente por acolhimento em comunidades terapêuticas conveniadas, chegando a custear até 50% das vagas nas organizações. No caso de gestantes ou mães com filho pequeno, o valor sobe para R$ 1,5 mil. A pasta informou, todavia, que o tratamento clínico é feito pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Na Salve a Si, os dependentes químicos contam com acompanhamento psicológico, social, e com atividades de reinserção. Além de oficina de marcenaria, os internos realizam trabalhos em uma estação digital de metarreciclagem. “Nós pretendemos agora uma fábrica de tijolos ecológicos”, adiantou Henrique.

Fonte:
Portal Brasil, com informações do Ministério da Justiça

Confira a Máteria na integra - Clique aqui
Post Anterior Próximo Post

Sua ajuda é muito importante para o crescimento da Salve a Si

  Faça sua doação